entrevista filipe

Lançamento da primeira pedra da casa mortuária de Campelo

casa mortuaria

No passado dia 14 de Fevereiro foi lançada a primeira pedra da casa mortuária de Campelo, que deverá estar pronta até ao final do presente ano. Na cerimónia participaram, o presidente da Câmara Municipal de Baião, Paulo Pereira, o presidente da União de Freguesias de Campelo e Ovil, Filipe Fonseca, o presidente da Assembleia Municipal de Baião, José Pinho Silva, a vice-presidente da Câmara Municipal de Baião, Ivone Abreu, os vereadores Henrique Gaspar e José Lima, o reverendo da paróquia de Campelo, Joaquim Ribeiro, o presidente da Assembleia de Freguesia, João Paulo Silva entre outros elementos do executivo da Junta.


O edifício foi projetado pelos Serviços Técnicos da Câmara Municipal de Baião e a autarquia irá investir para a sua construção 275 mil e 982 euros. A obra será construída pela empresa Fielnorte.
A Casa Mortuária será constituída por dois pisos: na plataforma inferior do cemitério serão implantadas as áreas de arrumos e um sanitário público. Na plataforma superior, localizar-se-ão duas câmaras ardentes e uma antecâmara, servida por sanitários. O projeto contempla, ainda, o tratamento dos espaços exteriores, com ajardinamento e pavimentação. O edifício terá uma área de construção 346 metros quadrados.

Obras para as pessoas
"A criação de um espaço com condições dignas de conforto, com capacidade para acolher amigos e familiares para participarem na celebração fúnebre e a inexistência de um equipamento municipal desta natureza em Campelo" são as principais razões para a realização desta obra evocadas pelo presidente da Câmara Municipal, Paulo Pereira. Paulo Pereira referiu que a construção desta Casa Mortuária será o culminar destes equipamentos nas freguesias de Baião. Para o edil baionense é uma grande satisfação ver os compromissos assumidos serem cumpridos "este é mais um exemplo de que cumprimos o que prometemos", salientou o autarca.
Ao tomar a palavra o presidente da União de Freguesias de Campelo e Ovil, Filipe Fonseca, salientou "que aquela é uma obra que dignifica Campelo e serve as pessoas e as suas necessidades". Filipe Fonseca agradeceu à Câmara Municipal "por ter cumprido o prometido e honrado a palavra dada a Campelo", bem como à Santa Casa da Misericórdia pela disponibilização da capela que tem servido de apoio à população. O autarca de freguesia expressou ainda um pedido ao empreiteiro: "tanto a mão-de-obra, como os materiais, se possível, serem provenientes do concelho de Baião".
Para o presidente da Assembleia Municipal, José Pinho Silva," esta é uma obra muito importante para a freguesia, para que os nossos cidadãos tenham condições de dignidade e conforto, para enfrentar momentos particularmente dolorosos", frisou. O presidente da Assembleia Municipal referiu ainda que a obra que irá nascer será um espaço de vida.

Desenvolvido por:

logotipo globalang webdeveloping